quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Escravo do Tempo

Sou escravo do tempo
E ando por curvas e retas incertas
Olho para a estrada e nada vejo
Olho para cima e tudo que enxergo é a tempestade
Quando tento olhar mais longe
Surgem novas nuvens no céu
E o sol fica encoberto restando-me sombras

Olho para o instante
O motivo eu não sei
Mas mesmo assim não enxergo nada
E olho, por fim, o espelho
E continuo vendo a mesma coisa: nada
Não consigo distinguir a face que me encara
Frente ao espelho desconheço o reflexo
Não acredito que eu exista

Danço ao som do canto dos mudos
Ando por caminho guiado por cegos
Consigo sentir o cheiro da água e choro
Corro por caminhos e não ando mais sobre o mar
Na verdade nunca andei
Talvez, em momento algum eu tenha corrido
É certo, que quis outrora apressar o tempo
Mas a cadência dos ponteiros dos relógios não mudou
Continuo e talvez para sempre
Sendo apenas, como você, apenas mais um
Escravo do tempo!

3 comentários:

  1. Alam, isso é um problema de imagem e identidade...rs...

    E ah, vcs homens! Só sabem viver o tempo presente..hunf! (Desabafo!!!! rs...)

    Brincadeira!

    Adorei o poema, cheio de sensibilidade.

    Bjs

    ResponderExcluir
  2. hum...ande..ande, que um dia você encontra.

    ResponderExcluir

Ponto Final

Ponto Final Começo da frase Caixa alta Letra maiúscula garoto Ponha vírgulas, não faça orações tão extensas! Evite reticências... ...