quinta-feira, 30 de julho de 2009

A Relação Distorcida da Comunicação com o Meio Ambiente

“Só existem dois dias do ano em que não podemos fazer nada. O ontem e o amanhã.”
Mahatma Gandhi

Nas últimas décadas o apelo da mídia para a conscientização das pessoas sobre as consequências desastrosas às quais o próprio ser humano está se sujeitando ao destruir seu meio ambiente está crescendo como nunca. Junto a esta intimação de criar soluções para os problemas já existentes e minimizar ou eliminar a criação de novos para as gerações futuras resolverem, os veículos de comunicação vêm empregando artifícios estratégicos bastante eficazes: emocional, racional, e até mesmo o “culpacional”, quer dizer, utilizam do sentimento de culpa para exercerem uma coerção psicológica sobre os demais indivíduos do sistema.

Sobre os problemas ambientais, alguns canais de comunicação utilizam uma expressão, talvez errônea: “a culpa é de todos nós!” Não que eu esteja querendo tirar a responsabilidade das pessoas em geral, mas é evidente que quem mais polui, destrói e acaba com as condições do planeta são as nações industrializadas; mostrando desta forma um caráter antiético da comunicação, o de encobrir ou minimizar, maquiando a realidade e principalmente os problemas para conquistar algum interesse particular.

Nos dias atuais, pode-se sentir na pele o desconforto causado pelas mudanças climáticas. Os pesquisadores e cientistas alertam, o efeito estufa também, este, aliás, não se manisfeta por palavras que possam ser expressas, e sim por reações diversas e adversas, que fazem o homem sofrer e, talvez parar para pensar. Partindo deste princípio, os meios de comunicação utilizam a inversão ideológica, ou seja, tomam o resultado como se fosse o seu começo, transmitindo assim, as consequências como causas dos males presentes e futuros.

Retornando à questão da culpa, outro erro que pode ser cometido pelas pessoas é a tentativa de encontrar culpados. Em virtude desta situação pode surgir como consequência um dos maiores males, a suposição de que a solução do problema não cabe a elas; ou que não tenham sequer uma parcela de culpa. Ou ficam ainda projetando belas ações que não são executadas de forma eficaz. Ou pior ainda, pensam que somente suas atitudes não podem mudar o mundo.

Para compreender melhor a relação: meio ambiente e comunicação é interessante entender melhor o significado de comunicação, pois o de meio ambiente já é quase natural na espécie humana. O termo comunicação pode ser definido como sendo o processo de emissão, transmissão e recepção de mensagem. E para se falar sobre comunicação e meio ambiente é mais do que preciso o conhecimento deste sistema: emissor, informação (mensagem a ser transmitida) e receptor. O emissor deve se preocupar em emitir as ideias de forma clara e que atinjam o destinatário integralmente e com o mínimo de ruídos possíveis. O receptor, por sua vez, não pode ser uma figura passiva. Deve receber, entender, analisar e avaliar a informação adquirida para então acontecer o retorno desejado. E para que a informação percorra este ciclo emissor-receptor, é primordial a utilização de um canal para conduzir de maneira eficaz e sem distorção os dados.

Conforme se sabe os veículos de comunicação são compostos por pessoas capitalistas e por estarem inseridos em um planeta, quase todo regido por este sistema econômico não poderiam deixar de desejar o lucro. Por esta razão pregam que as pessoas são o que têm, criando assim um forte espírito consumista nos cidadãos de todo os países. Dessa maneira, manipulam as verdades de maneira a adquirirem benefícios. O que contribui significativamente para tornar o mundo pior do que já é.

É interessante lembrar que o profissional de comunicação deve (em tese) manter o caráter ético da profissão. E como parte deste princípio, ele deve ser imparcial, realista e honesto com seu público receptor. Todavia esta seria a principal obrigação dos meios de comunicação, seria, pois hoje não é mais! Atualmente a maior preocupação como já dito anteriormente é o lucro.
Cientes da influência que detêm, os veículos de comunicação exercem de modo coercitivo seu poder para impor seus desejos e ideias. Mas somente a mídia não pode solucionar o problema, visto que não há como resolver um problema que é, em sua essência, global, sem uma ampla cooperação internacional. Por isto é o que o homem tem de acordar e agir, mas não pode esperar muito, pois se existe uma hora para começar, é agora.

Para concluir, analiso um excerto retirado do jingle da campanha de um candidato à vaga de senador do Rio Grande do Sul em 1989, trecho que talvez todos devessem levar a sério:

“[...] Esta terra é nossa, terra de nossos pais.
E o que agente fizer dela, é o que fica para nós![...]”

Ainda que pensarmos apenas em nós mesmos seja mais um tipo de atitude egoísta, pelo menos protegeria o planeta. E o essencial seria realizado, cada um agindo sem preocupar com ação dos outros. Desta forma o meio ambiente seria melhor. Agindo assim, exerceríamos a máxima de que os fins justificam os meios. Neste caso realmente justificam.

domingo, 26 de julho de 2009

Verdades Empalhadas

Verdades espelhadas refletem as mentiras espalhas, contadas
A mão armada ou diariamente furtada de quem deveria fazer a lei
Falsas verdades contidas no cotidiano alheio e de cada um também
Mentiras vivenciadas e presenciadas pela sociedade
Apresentadas todo dia na TV a uma população dormente
Sociedade sem escrúpulos e sem parlamentares “degentes”
De gente descente, de gente honesta, de gente igual a gente
Falta gente decente em nossa pátria? Acredito que não!
Falta gente honesta, certa, que pregue e haja com verdade
O que falta em nosso país é saber colocar representantes
Que governem com respeito e entenda o verdadeiro sentido de mandar
Políticos não são safados, nem desonestos, nem imorais, nada a mais
Simplesmente representam a gente, representam o seu eleitor
E representam personagens a cada mudança de humor

sábado, 25 de julho de 2009

Dia de julho

Pois é!... Inicia amanhã, dia 26, a última semana do mês de julho, nome que homenageia o imperador Romano Júlio César. É inverno no hemisfério sul e dia dos avôs e avós. Então me lembrei da época que era criança...

Pois é! Nem faz tanto tempo assim... Mas, enfim... Lembrei de quando ia com minha família para a cidade mineira de Tumiritinga. Pertinho de Governador Valadares (Leste de MG – alto-médio Rio Doce), íamos para uma região cujo nome já sugere a localidade: “Perdida”, situada na estradinha que liga a sede de Tumiritinga aos municípios mineiros de Capitão Andrade e Itanhomi.

Pois é! Recordei desta confusão de nome, de todas as viagens. Das brincadeiras feitas lá, das idas aos matos, de como aprendi a andar de bicicleta batendo a roda no arame farpado para frear, mas aí me explicaram que para parar é só bater no muro porque assim não se corre o risco de furar o pneu. (Custei a aprender que em bicicleta com freio contra pedal é só pressionar o pedal da bike no sentido contrário ao de pedalar normal.)

Enfim, é acordar amanhã cedo e pegar o telefone e dizer: “Bom dia vovó! Que bom que você fez minha mãe. Sem você não existiria!

E que venha o mês de agosto e que venha o segundo semestre!

Dia de quê?

Hoje é dia de São Tiago
Hoje é dia de Santo Iago
É dia de Machado e Shakespeare
É dia de Santo e Profano

Hoje é dia de Bentinho e Capitu
De Santiago e Escobar
Também é dia de D. Glória
Dia de Ezequiel e Eclesiástico

Em Matacavalos os metacarpos estralam
Há!!! Que seria de mim sem a bem-aventurada
Metalinguagem intertextual
De Assis a William
De Pessoa a Camões?!

É dia do irmão de João
Do maior ao menor
Hoje é dia de Tiago e Thiago
Com e sem H
De tantos santos e anjos
Dos céus e terra
Hoje é dia de amar

Hoje não é dia de casmurrices
De Otelo e Desdêmona
Hoje não é dia de Lear nem de Cordélia
Hoje é dia de ser fiel
Não é dia nem de Brás nem de Romeu
Hoje é dia de saber o porquê
De saber o motivo da maldade da mulher
Que é culpa do próprio homem
Hoje é dia de ler
Dia de simplesmente viver!

domingo, 5 de julho de 2009

O Esquecido!

Esqueci que tuas palavras têm o fantástico poder de conquistar-me.

Esqueci que teu jeito de olhar derrete geleiras do frio polar.

Esqueci que teu silêncio é resposta para dúvidas que preenchem meu ser.

Esqueci que as flores têm cheiro, que as folhas caem no outono e que por mais longo que o inverno seja sempre chega a primavera.

Esqueci que sempre vencemos empate e derrota não existe pra quem crê que todo resultado é positivo.

Esqueci que a neve pode ser vermelha e que o bem pode não agradar a todos.

Esqueci que posso tomar banho de chuva, rir do vento no rosto, esqueci que sei subir em árvores, andar descalço e salvar passarinhos, e esqueci que para dormir posso contar carneirinhos!

Esqueci que posso ter fé, posso ler um livro, posso viver a vida e amar mesmo que não seja amado!

Esqueci que posso ser criança, que posso chorar e esquecer-me de algumas coisas...

Quem recorda é porque em algum momento esqueceu...

Esqueça das normas, de ser correto, esqueça que não é o único ser do universo.

Esqueça o que acabou de ler e simplesmente viva!

A volta

Segundo semestre de 2009.
Acabou o quinto período de Relações Públicas - agora é férias e esperar o Sexto Período!

Acabou o estágio da AGERP.
Agora começou o estágiona Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Social - SEMAD; Fundação Estadual do Meio Ambiente - FEAM; programa AmbientAÇÃO.

Agora mãe já operou...

E eu voltei, escrevendo pouco ainda, mas aos poucos é o retorno!

Top 7