Contrapontos

Do meio das Trevas
Claridade
Junto à Escuridão
Luz
Em meio a Incertezas
Verdade
Inserida no Medo
Coragem
Contida no Abismo
Vontade

Este desejo de subir
De emergir e respirar
Sair do fundo ir para a superfície
Mas sou tão superficial
Artificial
Sou simplesmente reflexo da sociedade
Não sou nada
Mas aparento ser
O mundo é feito de aparências
Recorrência do Sepulcro
Veja a metalinguagem
 Tudo tão óbvio
E tu julgas sútil
Estes último versos
Talvez, daqui a uns anos
Nem o autor os entenda

Entender! Compreender!
Viver, Crescer, Morrer!

Comentários

  1. "Adoro seus textos". Já perdi a conta de quantas vezes te disse isso, mas é verdade, rs.
    Senti falta daqui ...
    ------------------------------------------------
    Acho incrível como mudamos com o passar do tempo. Sentimentos, pensamentos, ideais .. tudo muda. Acredito que só a essencia permanece imutável, por isso ... mesmo que os anos venham, mesmo que o entendimento se perca, ao voltar e ver algo que nos inspirou, alguma coisinha lá dentro nos faz lembrar e, ás vezes até reviver um momento qua já passou, um sentimento que já acabou...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Sentimento Neutro

Eclesiástico: A alegria do coração é a vida do homem