VERSOS DE UM EX POETA


Ele se dizia poeta, mas não sabia rimar
As pessoas não acreditavam em seus versos
Faltava verdade, faltava vontade, faltava saber amar
Até que ele mesmo deixou de acreditar...

Certa vez, esse nosso amigo poeta, parou de poetizar
Ele percebeu que não tinha mais habilidade com a caneta nas mãos
Suas armas foram colocadas no fundo da gaveta
Do lado de seus sonhos, dos projetos, de sua vida...

Quando era jovem o poeta achava que sabia rimar
Seus poemas em versos livres também pareciam perfeitos
Suas intervenções nas folhas de papéis, considerava-as fabulosas
Ele acreditava que sabia qualquer tema abordar.

O poeta queria voltar para os tempos de outrora
Em que os versos, estrofes e palavras saiam naturalmente
Quando as palavras brotavam não de sua cabeça
Mas suas poesias eram externalização do seu coração.

Quando ele falou para sua mãe que queria ser poeta
Depois de muitas lágrimas, ela preocupada, sentenciou:
'profissão de risco meu filho, não faça isso, por favor!'
Seu pai nada disse, além de que não criara filho pra isso..

Mas o jovem Poeta tinha um sonho de mudar o mundo
E partiu na estrada da incerteza, saiu a poetizar
No caminho, casou, teve filhos, e espalhou versos por onde passou
Mas, certo dia já na velhice, o poeta descobriu que não sabia rimar

Então o poeta pegou seus textos antigos e leu todos
Fez-se Dom Casmurro e se pôs nessa busca por atar as pontas da vida
Enfim percebeu, o problema não estava na falta de rimas
Descobriu quase morrendo que já havia morrido há anos
Quando deixou de saber amar!

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Sentimento Neutro

Eclesiástico: A alegria do coração é a vida do homem