E agora? É ou não é, responda agora se puder: Ele é bom?

“Compreendemos poucas coisas da vida e a conhecemos na prática. Por que, então, tentar entender a morte, se esta é uma condição que ainda não nos sujeitamos?”

_ Papai, papai, papaizinho...
_ Fala minha flor!
_ Deus existe?
_ Mas que pergunta Clarinha? É óbvio que Deus existe.
_ E ele é bom, papai?
_ Sim Clarinha. Papai do Céu é bom, é lógico que Ele é bom!

Alguns segundos de silêncio. A pequena Clara permaneceu olhando para seu pai que terminava de cozinhar enquanto respondia as indagações de sua princesinha. Quando ela fez mais uma pergunta:

_ Papaizinho do meu coração... Ele sabe de tudo e faz tudo do jeito que ele quer?
_ Faz sim, minha fofa. Ele sabe de tudo e tudo acontece porque é da vontade dele!
_ Ele é bom e sabe de tudo. Papai, por que ele levou a mamãe?

Mais alguns segundos de silêncio. Para a menina apenas segundos, para o pai, uma infinidade. Então ele disse:

_ Clara, sua mãe sempre te amou, cuidou e te educou por pouco tempo, mas tempo suficiente para você sentir-se amada e querida, para você ser educada. Neste período em que ela esteve conosco, ela proporcionou, tanto a você quanto a mim, momentos maravilhosos e dias perfeitos.
Ela cumpriu a missão dela aqui, então Deus, que é bom e sabe de tudo, percebeu isto e diante de toda esta bondade dela decidiu convocá-la para ajudar a cuidar dos anjinhos no céu, deste modo eles poderão sentir-se tão amados como você se sente.


Está chegando o dia de finados, 02 de novembro. Como falar com uma criança sobre esta etapa da vida que nem os adultos compreendem?

O objetivo deste texto não é contestar o valor de Deus e julgá-lo bom ou não, é apenas entender de que forma a morte pode parecer mais sutil para uma criança: foi viajar, está morando em outro lugar distante, ou qualquer outra coisa que se possa dizer.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sentimento Neutro

Eclesiástico: A alegria do coração é a vida do homem